O CONHECIMENTO DE SI MESMO

"...A verdadeira psicologia, ou o conhecimento da psique, significa conhecer a si mesmo. Mas, quem somos nós? Somos apenas este corpo, esta mente, a criatura deste nascimento? Seria o conhecimento de nós mesmos o mesmo que o conhecimento das particularidades da química do nosso corpo, da forma da memória, de nosso condicionamento social ou de algo ainda mais profundo?

Toda psicologia é uma tentativa de saber quem realmente somos, mas os sistemas da psicologia apresentam concepções distintas do eu. A maior parte aceita a validade do ego — a identidade do Eu-sou-o-corpo desse determinado nascimento — como nosso verdadeiro Eu.

O Ayurveda, muito além disso, en­xerga a nossa identidade na percepção imutável que transcende o corpo e a mente.

O conhecimento de si mesmo significa entender toda a extensão do nosso ser. Não se trata apenas do eu físico, mas do eu mental e do eu individual, que persistem de nascimento a nascimento. O verdadeiro conhecimento de si mesmo implica entrar em contato com a missão de nossa alma na encarnação.

O que estaria nossa alma procurando realizar nesta vida para se ajudar ao longo de sua jornada rumo à Divindade?

O conhecimento de si mesmo envolve o conhecimento do cosmos. Funcio­namos por meio das grandes forças da Natureza, que são também os poderes de nossa consciência mais profunda.

Conhecer a nós mesmos equivale a conhecer o universo, não como fenômeno físico, mas como jogo da consciência. Tudo o que vemos, desde as belas montanhas até os atos criminosos, é um aspecto de nós mesmos. Enquanto não entendermos essas coisas em nós mesmos, conti­nuaremos ignorando quem de fato somos.

O conhecimento de si mesmo é a forma mais elevada do conhecimento. Constitui a base de todas as outras formas de aprendizagem. E a única coisa através da qual tudo o mais é conhecido. Para descobri-lo, é preciso que volte­mos a mente à sua origem e a reeduquemos quanto a ver o mundo, não como uma realidade exterior, mas como uma revelação interior. O mundo exterior existe para a experiência interior e para o conhecimento de si mesmo. Quando abordamos diretamente qualquer coisa na Natureza, com lucidez, descobrimos que, no nível mais profundo, essa coisa é intrinsecamente una com nossa pró­pria consciência. Vemos a nós mesmos na Natureza, e esta em nós mesmos. Essa é a revelação de nosso Eu Superior”.

COMO AUMENTAR O CONHECIMENTO DE SI MESMO

“...Para aumentar o conhecimento de si mesmo, temos de aprender a nos observar, o que requer meditação. Não temos de aceitar a idéia do ego con­dicionado de quem somos, porém, precisamos mergulhar fundo na mente e ver de que modo estamos ligados a toda a existência.

Devemos rastrear nossa idéia do eu, o eu-sou, até identificar-lhe as origens no âmago do espírito. Temos de aprender quem somos, não apenas o que nos constitui o nome ou o emprego, mas a natureza de nossa consciência livre de todos os fatores de condicionamen­to exterior.

O pensamento sempre tem duas partes: o "Eu" e aquilo com que se identifi­ca, como quando se diz "Eu sou isso" ou "isto me pertence". O sujeito, ou "Eu", liga-se a um objeto ou se identifica com ele. Todos os nossos problemas advêm da porção do objeto, limitada pelo tempo e pelo espaço. Temos alguns proble­mas com ser isto ou aquilo, ou com ter uma ou outra coisa, mas não temos problemas quanto a ser. Isso não é difícil a ninguém. Trata-se do que existe por si mesmo, do que é dado. É no ser alguma coisa ou outra que os problemas vêm à luz.

Voltar ao puro "Eu sou" é a raiz de toda paz e de toda felicidade. A psicolo­gia deveria nos ajudar a entender as camadas exteriores do nosso ser, do nosso corpo físico, de nossos impulsos vitais e mentais, não nos prender nessas coisas, mas harmonizá-las para que o nosso ser mais profundo possa se manifestar e funcionar por meio delas.

O conhecimento de si mesmo requer certa calma e serenidade da mente. Se estamos padecendo de perturbações psicológicas, em geral, é mais fácil desen­volver a devoção primeiramente, ou lidar com aspectos exteriores mais acessí­veis em nossa vida, como mudar nossa alimentação ou nossas impressões. É inútil dizer a alguém que passa por grave crise emocional para que medite, seja desapegado ou procure entrar em contato com o Eu Superior. Pessoas nessas condições precisam de algo mais prático; orientá-las para a meditação é algo importante. Por essa razão, o conhecimento de si mesmo pertence mais pro­priamente à senda espiritual do que ao tratamento psicológico; contudo, o autoconhecimento é a única forma de ir além de todo sofrimento, que resulta de não sabermos quem de fato somos...”


Retirado do Livro Uma Visão Ayurvédica da Mente – Dr. David Frawley